quarta-feira, 11 de novembro de 2015

11/11/2015  TEXTO 17

American Way of Life:

Nunca houve uma ideologia tão bem vendida às massas quanto a do "american way of life". Ela triunfou não apenas dentro dos Estados Unidos, mas também abaixo do rio Grande. No Brasil, realizou a grande revolução cultural dos anos 50. Todos queriam aprender a falar em inglês, substituíram o guaraná pela Coca Cola. O "cachorro quente" pelo "baurú", logo depois:"hot-dog". 
Do sonho da casa própria, as classes médias somaram o do automóvel e a coleção de eletrodomésticos. O cinema americano foi o grande professor, ensinando como consumir para viver bem e ser feliz(o que logicamente devia ser o oposto). Depois, a TV veio para completar o desastre. Aos poucos foi se fazendo oposição à americanização. O humorismo ajudou muito na ridicularização dos modos grosseiros, no vestir, na alimentação. A MPB ajudou em muito, dando parâmetros que permitiam medir a jovem guarda anã. Mas em muitos aspectos o "american way of life" veio para ficar. Na substituição das pernas pelo automóvel; pernas apenas para "malhar"; na troca da casa pelo apartamento; o desleixo masculino no vestir-se; no empobrecimento do vocabulário, com a adoção de termos tidos como "inglês técnico". A Ditadura colaborou em muito, sendo decisiva, na medida em que promoveu o emburrecimento de gerações: hoje, o traço mais marcante dessa absorção cultural está na redução da vida a um objetivo: ser um vencedor. Enfim, superou-se a única restrição que as classes médias faziam ao que liam sobre a vida dos grandes astros de Hollywood: aqui no Brasil também o casamento tornou-se um hábito, todos querem casar-se muitas vezes.
Pobre é o que não venceu, o vencido. Pra nós, brasileiros, os pobres se roem de inveja; e isso justifica ódio que 'dedicamos' a eles. Não consumir é indecente, é pecado mortal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário