quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

02\12\2016
REFORMA POLÍTICA JÁ é proposta precipitadamente superficial, contraditória e enganosa. Os partidos políticos, reunidos nas duas casas do Congresso, representam quem e o que? Eles são a base de toda a vida política: não se faz política sem eles. São o que querem os profissionais que deram continuidade aos usos e costumes construídos durante a ditadura. A Constituição de 1988 não resultou da assembléia de cidadãos corajosos, mas do encontro interesseiro e amedrontado de homens que não tinham olhos para enxergar e nem competência para projetar o futuro de um país que pretendia iniciar a sua experiência democrática. A Carta que deveria nos governar hoje (remendada a todo momento, para atender aos imediatismos interesseiros) não teve nenhuma coragem política. A experiência de convivência com partidos políticos capados recomendou que se desse tal status, nada se exigindo: ideologia, programam,tampouco compromissos. À esses grupos somam hoje mais de três dezenas de associações de fins lucrativos e que trabalham exclusivamente para transformar subornos estratosféricos em "despesas eleitorais". Tão simples: não se trata de discutir sobre financiamento de campanhas por empresas & empresários; proíbam-se tais despesas, que não servem para nada e para ninguém. Voltemos aos tempos dos comícios de praça pública e "horários gratuitos". Reconheçamos: as propinas não cobrem despesas de campanha política, elas são armazenadas nos bolsos personalizados.
Os partidos políticos são a base para formação dos quadros que vão compôr o Executivo e o Legislativo. Sem que eles sejam obrigados a uma postura ética e competente, não haverá reforma de coisa alguma: discutir voto distrital não é discutir reforma política. Discutir reforma politica, entre outros pontos fundamentais, é refazer o pacto federativo, de forma a impedir a formação de bancadas representantes de pistoleiros e coronéis. É estabelecer parâmetros seletivos para os que pretendam concorrer em eleições: o espetáculo circense que a Câmara e o Senado oferecem no dia-a-dia mostra a inviabilidade política de um Congresso Nacional que reúne não só bandidos, mas analfabetos funcionais. Partidos políticos não podem capitalizar votos, usando nomes de astros e estrelas, um populismo pobre e rasteiro.
Agora,existindo quadros políticos responsáveis, será possível discutir as regras: fidelidade partidária, rigorosa prestação de contas (dos dinheiros e das ações), respeito aos projetos propostos enquanto candidatos ...
A REFORMA POLITICA, para que exista, pressupõe como condição o esforço intelectual para construção de instituições que não sejam a repetição desgastada do que foi proposto no século XIX, muito antes do capitalismo financeiro, da globalização e da alienação promovida pelos modernos meios de comunicação. E mais...que se mantenha apenas o princípio a ser feito realidade:
TODO PODER EMANA DO POVO E SÓ POR ELE SERÁ EXERCIDO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário