segunda-feira, 20 de março de 2017

O desrespeito ao povo brasileiro já não tem limites. TODOS os deputados e senadores devem ser presos, ratificando-se a sua condenação, por crime óbvio, procedendo-se em seguida ao seu banimento. Agora, eles já não dignos nem mesmo do nosso asco!

A escola privada transformou-se em negócio. A escola pública faliu. Está na hora de deixar de lado a grande mentira e encarar o que os números mostram: o País dos alfabetizados disfuncionais.

 O ministério passa a ser um Brasil loteado: de fato, a "res publica" ttransformada em "cosa nostra".

Onde estão todos os que defendem intransigentemente a liberdade de imprensa? Isso só vale para defesa dos interesses dos poderosos

Os números dessa pesquisa mostram que a gestão Haddad, no Ministério da Educação, foi positiva. Mas, puxa vida, (!) como temos que progredir ainda. Temos que derrubar um dos mais terríveis preconceitos das elites nacionais: preto e pobre não precisam e nem devem saber ler e escrever.

Maluf é o exemplo maior da impunidade nesse País. Justifica-se assim o seu cinismo. Enfim, De Gaulle já havia constatado: o Brasil não é um país sério.

Mais do que nuca, os políticos profissionais querem construir uma barreira que os separe do povo. Poderiam ir todos para Versalhes e comer brioches.

O PMDB e outros, o "centrão" quer fazer o grande leilão, que poderá permitir a ele fazer negociatas por mais quatro anos. Quem sabe, um dia, ficaremos livres desse banditismo. Hoje, podemos ter saudade do PMDB de Ulisses Guimarães e da luta pela democracia: o que era PMDB transformou-se em ARENA.

Edison Lobão é homem da capitania do Maranhão, controlada pelo senador (do Amapá!) Zé do Sarney. Tentando-se ficar acima de fofocas e pequenas maldades, a imprensa não deveria apresentar objetivamente o currículo dos que vão ser ministros? FHC governou com o PFL de Antônio Carlos Magalhães; Lula, com o PMDB. Ambos poderiam ter sido eleitos sem assumir compromissos espúrios. Mas não conseguiriam governar. A "governabi

A política externa brasileira teve coragem suficiente para dizer não à ALCA e contrariar interesses dos EUA. Celso Amorim não repetiu a subserviência de Celso Lafer. O maior erro está sendo admitido aqui: Lula, o campeão das simplificações tolas, firmou que a China é uma economia de mercado. Onde, eim?

De fato, as milícias são outro personagem sórdido do drama. Mas, e a máfia, eim, os grandes, os chefões, os capos, onde eles estão? São os mesmos que exportam para o Brasil lixo contaminado, que nós ficamos contentes em devolver, mas sem apurar quem mandou? Seria a Camorra? 

Sempre é animador encontrar sinais de inteligência e sensibilidade.

Castor de Andrade foi quem decidiu pela ampliação dos "negócios" dos bicheiros, incorporando as máquinas "caça-niqueis" e as drogas. Montou um entreposto em Porto Seguro, ostensivo, para quem quizesse ver. Preso, transformou a sua cela em suite de hotel de luxo. Brincou com o carnaval e com o futebol. Teve seguidores, como o capitão Guimarães. Faziam conexão com a cosa nostra. Hoje em dia, quem faz?


Nenhum comentário:

Postar um comentário